quarta-feira, 29 de julho de 2009

heróis e nevoeiros



















O nevoeiro às portas do Porto. Aquela coisa misteriosa dos céus encobertos que até nos fizeram sonhar com um Sebastião diferente, desses que avançam à força da espada e nos resgatam de todos os males. O nosso quase-super-homem português, desses que a qualquer hora se podem materializar e dar corpo aos sonhos. Os mesmos que em terras lusas se desprezam a menos que venham de sebastiões, fantasmas ou mortos, que esses não fazem sombra a ninguém e já podem andar por aí livres a lembrar-nos as enormíssimas realizações que poderiam ter cometido se lhes tivessem, generosamente, emprestado algum crédito. O mistério é uma coisa muito bonita e poderosa, até porque não tem nada que ver com a realidade, por isso pode potenciar qualquer coisa sem grande interferência nos comodismos instalados. Ainda estou para perceber como é que esta gente levantou o traseiro do banco para ir por aí à descoberta de novos mundos, com o pavor atávico que tem da aventura. Tem de haver coisa nessa história...
Enviar um comentário