segunda-feira, 21 de abril de 2014

a consciência de Bruno



"A ordem e o poder da luz e das trevas não são iguais, pois a luz difunde-se e penetra as trevas mais profundas, mas as trevas não alcançam as mais puras regiões da luz.Assim, a luz compreende a treva, domina-a e conquista-a, através do infinito." - Giordano Bruno, 1591
A consciência do que é de facto a realidade custou a Bruno a sentença de morte pela igreja que devia disseminar essa mesma consciência. O medo e a sede de controlo têm levado a melhor sobre as religiões que, na ausência de fé nos seus próprios ensinamentos, transformam a vida no inferno que deviam evitar.

"Nós declaramos esse espaço infinito, dado que não há qualquer razão, conveniência, possibilidade, sentido ou natureza que lhe trace um limite." (Giordano Bruno, Acerca do Infinito, o Universo e os Mundos, 1584).
Uma sabedoria tão radical nos nossos dias como herética à luz dos conhecimentos da sua época. Mas o pensamento e a obra de Bruno está recheada de detalhes sobre a magnífica consciência que tinha da realidade:
"O mundo é infinito porque Deus é infinito. Como acreditar que Deus , ser infinito, possa ter se limitado a si mesmo criando um mundo fechado e limitado?" 
"Não é fora de nós que devemos procurar a divindade, pois que ela está do nosso lado, ou melhor, em nosso foro interior, mais intimamente em nós do que estamos em nós mesmos." (A ceia de cinzas, Giordano Bruno, 1583).
Giordano Bruno nasceu em Nola, Reino de Nápoles, em 1548. Morreu em Roma, a 17 de Fevereiro de 1600, queimado na fogueira pela Inquisição.


Enviar um comentário