quinta-feira, 5 de junho de 2014

liberdade do pensamento

foto daqui
Fechar os olhos e pensar num farto pequeno-almoço, de fruta, hidratos de carbono e café. A sensação de prazer é tão autêntica como estar à mesa a dar conta de uma pilha de panquecas e frutos. A diferença fica na sensação que se segue. O pensamento que nos faz sorrir de prazer e nos liberta em seguida para outras experiências. Ou o prazer que nos amarra à digestão e à consciência de um corpo que, encarado como uma realidade demasiado presente, nos limita. Qualquer das hipóteses se acarinha e se abraça como válida e enriquecedora. O prazer experimenta-se de muitas formas, mas a liberdade do pensamento jamais deixa de nos surpreender.
Enviar um comentário