terça-feira, 7 de abril de 2015

adoradores do inútil a precisar de ajuda

Ilustração: MMF
Recebo, há duas semanas, chamadas da EDP Comercial que começam com uma pergunta despropositada sobre as vantagens que posso ter na minha factura de luz. Antes disso eram as chamadas das Águas de Cascais, a explicar a sorte que tinha por comunicar a leitura do contador e só pagar a água de dois em dois meses.
Na ignorância de quem escreve estes scripts embrutecidos e embrutecedores para os pobres diabos que tentam ganhar a vida com o marketing telefónico, resta-me lembrar os vampiros dos serviços públicos essenciais que os meus dados não são deles, muito menos para me assediarem e aborrecerem com questões idiotas.
Além de não terem o direito de comprar os meus dados, nem de me assediarem a horas impróprias com as suas campanhas, nada do que é meu lhes pertence para coisa nenhuma. Muito menos para me venderem serviços que mais não são do que simples estratagemas para nos porem a pagar coisas de que não precisamos.
Muito pior se torna a coisa quando compreendemos que o Governo e o Estado, entidades que sustentamos com os nossos impostos de muitíssimas formas, e que só existem para nos proteger e defender, também participam na compra e venda de dados de toda a espécie, da mesma forma que qualquer empresa sedenta de lucros põe isso em prática.
Antes dos grandes interesses económicos se assumirem tão descaradamente eram apenas considerados pelo que realmente são: uma voracidade anormal pelo armazenamento de lucros (ou poderes) que nunca terão capacidade para usar na totalidade e, portanto, desperdiçam. A ambição desmedida só dá origem a perdas igualmente desmedidas. Portanto, inúteis em género e quantidade.
Se é para isso que traficam os nossos dados, eles não vos pertencem logo à partida, nem nunca pertencerão. E isso é apenas mais uma parte da grande inutilidade que vos orienta. Pena é que o nosso dinheiro não seja gasto a impedir-vos de cometer crimes contra os outros e contra quem os pratica, visto que o resultado final é tão desolador que quem deles participa só pode estar doente e a precisar de ajuda.

Enviar um comentário