segunda-feira, 22 de junho de 2015

os piratas da informação


Hoje, ao consultar o Público online, aparece-me uma janela como a da figura. Ou seja, a página da web de um órgão de comunicação social, utiliza software malicioso que controla as visitas à página, não anuncia que o faz, nem pede autorização para tal.
Que suposta isenção pode ter um órgão de comunicação social que pratica o que deve denunciar sobre os outros? Que dizer dos artigos em que supostamente denuncia más práticas e iniquidades? Que valor tem a informação que veicula?
Os cursos de jornalismo das universidades há muito que deviam ter sido extintos, visto que o código deontológico do jornalismo é um conceito igualmente extinto e ultrapassado. Quando a comunicação social, ou o quarto poder, se transforma descaradamente numa máquina de propaganda de interesses e abdica da sua função original, nada há que justifique a confiança na informação que propaga. Muito menos quando ignora sistematicamente injustiças, direitos e o livre acesso à informação.
Na verdade, a preciosa informação que o Público disponibiliza online está disponível por toda a net, noutros órgãos de comunicação social e pelas redes sociais, por quem queira armar-se em jornalista ou dar a sua opinião sobre actos e factos.
Poderia dizer-se que não é o mesmo, que não há isenção ou cuidado com verificação das fontes, da veracidade da informação, etc., etc. Mas o mesmo ocorre com os agentes informativos actuais e/ou oficiais. A descrença já feriu de morte a confiança dos consumidores de informação oficial. A manipulação é por demais conhecida para garantir a sua credibilidade.
Há décadas que os meios de comunicação social se esforçam por encontrar uma solução paga ara os seus conteúdos online. Mas tentar a sua implementação com piratices diz tudo sobre as suas verdadeiras intenções.
Enviar um comentário