sexta-feira, 31 de julho de 2015

o sufoco das ideias feitas

Remendos -- by MMF
Neutro (do latim neuter, neutra, neutrum = "nem um, nem outro: símbolo de indeterminação, com o mesmo significado usual) refere-se a algo que, por si, não toma partido de qualquer dos lados duma disputa. Aquilo que é imparcial, indiferente. Também dito neutral. (Wikipédia)

E se tudo fosse neutro? E se andássemos para aí a atribuir qualidades mais ou menos de acordo com o que fomos treinados toda a vida para o fazer, em vez de atribuir a tudo as qualidades que mais nos beneficiam?
Por exemplo, quando achamos que alguma coisa é boa ou , agradável ou desagradável, bonita ou feia, a que nos reportamos? A ideias e conceitos que temos na memória, aprendidos de acordo com convenções que nos vêm dos outros, da educação, do socialmente estabelecido.
Como no caso do elegante ou deselegante, um corpo perfeito ou imperfeito, de acordo com a moda que, como todos sabemos, é uma coisa volúvel e impermanente.
Se esquecermos esses pré-conceitos, se abrirmos os olhos como um bebé recém-nascido, sem memória desses ensinamentos, veríamos as coisas de uma outra forma, com uma abertura capaz de nos surpreender.
As ideias e conceitos que nos são passados até podem ajudar-nos a funcionar socialmente dentro de um milhão de condições que rapidamente se tornam demasiado limitativos para agradar a toda a gente. Eventualmente, ao fim de algum tempo, todos nós acabamos por experimentar insatisfação e infelicidade com esse acumular de condicionantes que nos abafam.
Voltar a considerar a neutralidade como o princípio de todas as coisas, abrindo lugar a novas formas de ver e apreciar as coisas, não só é possível, como refrescante e um meio de descobrir soluções e outras formas de viver sem os compromissos mentais a que nos sujeitamos sem questionar.
No final, quantos de nós estão dispostos a rever os seus conceitos e ideias pré-adquiridas, ou a exercitar a sua capacidade de os reconhecer?



Enviar um comentário