segunda-feira, 25 de abril de 2016

hoje é 25 de abril

Hoje não vou pôr nenhuma imagem porque, actualmente, as mil palavras que dizem que as imagens valem são utilizadas para apelar a emoções e sentimentos que não correspondem às intenções de quem as propaga.
As imagens que surgem na nossa cabeça também não são de fiar, porque a maior parte delas são reflexos da memória, esse arquivo geral acumulado e desorganizado segundo emoções sobre as quais não exercemos controlo.
Assim, fico-me pelas palavras neste dia 25 de Abril, que mais do que um movimento político, foi um momento de esperança, de mudança, de possibilidades de atingir uma forma de estar diferente da que nos aprisiona e paraliza.
Há sempre esperança e escolha infinita se percebermos que existem duas realidades diferentes: a que se desenrola fora de nós e a que se passa cá dentro, onde está tudo o que somos, o que queremos e o que desejamos.
A nossa atenção deve estar com a realidade que realmente nos pertence, pois o que se passa fora de nós é uma amálgama desorganizada de factos e acções sobre os quais ninguém pode afirmar ter algum controlo. Mesmo tendo essa ingénua pretensão.
Saber, no entanto, que o que está dentro de nós é que é importante, é que é o nosso 25 de Abril. Reconhecer que o exterior não tem nenhum poder sobre nós, a menos que acreditemos nisso e que deixemos o furacão de fora destruir tudo à sua passagem, essa é a única revolução possível e verdadeira.
Hoje é um dia em que podemos escolher olhar e mudar o mundo a partir de dentro. E que assim seja todos os dias, em todos os momentos em que disso nos lembrarmos.
Enviar um comentário