terça-feira, 5 de setembro de 2017

Circo, circo, circo, disse ela

Circo, circo, circo, diz ela (foto daqui)
O debate sobre as eleições autárquicas em Cascais, emitido ontem pela TVI24, teve um único protagonista: Judite de Sousa. Apresentou-se como a jornalista moderadora da conversa entre os candidatos às próximas eleições no concelho mas, de facto foi a encenadora de um dos mais tristes espectáculos alguma vez vistos em televisão.
Começou por convidar apenas três dos candidatos, ignorando os outros sob um qualquer pretexto de exclusão que entendeu não ter obrigação de explicar aos telespectadores. Foi a sua primeira infracção das regras democráticas e do código deontológico dos jornalistas.
Em igual desrespeito do mesmo código, que deve ter assinado para obter a sua carteira profissional e exercer legalmente o ofício jornalístico, numa encenação descarada e de cariz inegavelmente propangandístico, separou o actual presidente e candidato dos outros inervenientes, conferindo-lhe um destaque que fere todas as regras de igualdade e tratamento.
Não contente com as suas más e indevidas acções no exercício de um métier que merece respeito e, desta forma, desonra todos os seus colegas e evidencia falta de respeito pelo seu público, a senhora Judite de Sousa inicia a apresentação dos candidatos pelo actual presidente, vindo no final a atribuir-lhe o fecho das intervenções.
A mesma senhora encarregou-se, durante todo o debate, de interromper sistematicamente os dois candidatos da oposição, nunca o fazendo com o "seu eleito", dando-se mesmo ao trabalho de interpelar os entrevistados e fornecer respostas em seu lugar, proporciando um tristíssimo espectáculo televisivo e pessoal.
Mais do mesmo despudor antidemocrático foi o descarado resultado das respostas do actual edil, que fez questão de manifestar publicamente a condescendência com que mima os seus adversários, desvalorizando-os permanentemente como pessoas de fraco entendimento e eternamente ignorantes das realidades do concelho.
O mesmo desrespeito demonstra na sistemática ocultação da actividade autárquica passível de contestação, dificultando de diversas formas o acesso da oposição e dos cascalenses em geral à informação a que tem direito sobre as grandes decisões respeitantes à sua terra, ignorando o respeito que deve a quem lhe paga para governar e não para abusar sistematicamente do poder que lhe confere o cargo.
Bem estiveram os outros candidatos, pelo contraste imposto pela enferma prestação de Judite e do seu protegido. Mesmo não tendo beneficiado de tratamento justo ou igual. O mal condena-se a si mesmo e não vale a pena explicar esta verdade basilar a quem não tem meios de diferenciar os conceitos de certo ou errado.
Quanto à triste protagonista deste episódio, deveria ver a sua conduta analisada pela alta autoridade competente e o seu título profissional revogado pela mesma ou pelo respectivo sindicato. Prestou um serviço lamentável e passível de justificada condenação.
Ficámos também a saber, em Cascais e no País, que a comunicação social não tem vergonha de privilegiar o poder e de vender a pretensão democrática como uma desavergonhada propaganda. O mal está à solta e, pelos vistos, desesperado por uma vitória a qualquer custo.
Circo, circo, circo, disse ela (Judite, mulher de duvidosas qualidades).
Enviar um comentário