quarta-feira, 6 de setembro de 2017

há coisas a avancar

(foto daqui)


Há coisas que avancam em Cascais. Avancar é um verbo novo, desses que fica em terra de ninguém e que não implica nem compromete grande coisa. Avancar, avancamos todos, não importa em que direcção, com que intensidade, profundidade e consequências. 
O que importa é avancar. Dar a ideia de que estamos todos em movimento, mesmo que seja para o precipício dos efeitos menos desejáveis. E quem avanca a mais não é obrigado. Não se tortura com estados de consciência, com problemas varridos para debaixo do tapete, com cheias, tempestades e outras calamidades. 
Avancamos todos para o universo das facilidades, da megalomania do betão e do cimento. Dos parques de estacionamento impostos a quem tem direito a ter carro mas não a um espaço livre para o estacionar. Ao enxotamento dos cascalenses para a periferia do concelho para que os turistas possam beneficiar da vista e das bicas super modernas, ao mesmo tempo que compram souvenires fabricados a Oriente.
À universalíssima água de todos nós, vendida a peso de ouro (ora cá está a explicação para tantos ricos e famosos aqui assentarem arraiais). Querem água à borla? Vão para os chuveiros das praias, que já estão pagos com as taxas municipais e também servem para limpar as caravelas portuguesas que se agarram à pele dos banhistas de Carcavelos. Há gente mesmo ignorante e incapaz de avancar...
Avanca-se sobretudo com múltiplos mega eventos em Setembro, a concorrer com a campanha eleitoral e a deixar-nos aturdidos com a oferta previamente paga pelo bolso de todos.
O que faz falta é avancar a malta. E quem avanca, seus males espanta.
Enviar um comentário