quarta-feira, 11 de outubro de 2017

a pandemia da tristeza

foto Mafalda Mendes de Almeida
Fica-se com a impressão de que, depois de umas eleições, está tudo a postos para mais quatro anos a sonhar acordado. Há um curto pico emocional em que as pessoas se empolgam e deitam cá para fora os seus ressentimentos a propósito do que está mal.
Esse mesmo pico pode ser o suficiente para as levar às urnas, mas a seguir instala-se de novo a depressão resultante do descrédito nos resultados, nas suas consequências efectivas. Devia ser possível processar os responsáveis por esta pandemia [substantivo feminino; med.: enfermidade epidémica amplamente disseminada] de desânimo, de consequências incalculáveis a nível individual e colectivo.
Em Cascais, onde a paisagem natural tem artes de cenário de encantos e promessas, é fácil distrair a mente com a beleza. A falta de consciência dos líderes é substituída pela contemplação passiva do que é mais belo e afinal ainda vale a pena.
Este tipo de tristeza paralisa e impede a reacção necessária para mudar e tratar a raiz do problema. Não tendo em que acreditar, os cascalenses fecham-se na sua redoma e temem o insucesso de iniciativas diferentes, que proporcionem resultados diferentes.
A pandemia aqui, à semelhança do que acontece em muitos outros sítios, é uma morte silenciosa que extinguirá a beleza natural e, em seguida, os que a admiram mas não têm coragem para dar um passo na direcção certa. Continuarão a sonhar, convencidos de que é bom e que é tudo o que lhes resta.
No entanto, o sonho existe para se pôr em prática, para sacudir a poeira e para nos encher de ânimo. Há um remédio para tudo, mesmo para a tristeza. E saber por que razão ela se instala é o primeiro passo para a combater e exigir o resgate das coisas verdadeiras e que valem a pena.
A bem de Cascais e de todas as pessoas de bem, vamos curar esta pandemia?

Enviar um comentário