sábado, 5 de maio de 2018

a árvore das patacas

"Money on my mind" by Nicholas Tarr, Staachy Art
A árvore das patacas existe. Sobretudo na versão pandémica de todos os males e infelicidades, repartida por hospedeiros despedaçados e parasitas furiosos. O que falta compreender é que as patacas são energia e cabe ao indivíduo moldá-la na medida dos seus mais nobres interesses.
A sua visão amorosa e correcta não é a mais corrente, sufocada como está em taxas e impostas obrigações. Assim como as incontornáveis sobre bens essenciais como a água, energia, alimento e comunicações.
Cada vez que um pataqueiro do lado negro inventa uma nova forma de extorquir patacas, acrescenta um grão de areia ao dique da livre circulação da riqueza natural. Os pataqueiros negros têm a distorcida noção de que acumular mais do que aquilo que podem usufruir no período de uma vida é um sintoma de sucesso. São criaturas bloqueadas, como uma artéria entupida de gordura, incapazes de entender que a morte (ou mudança) é o seu único destino nesta vida.
A comunicação e a partilha são uma extensão do amor, assim como quando se junta um bom molho de palha e se fortalece a sua resistência. A aliança e entendimento com mais e mais parcelas do maravilhoso e delicado ecossistema da existência é o inesgotável e o melhor caminho para a riqueza.
O diabo é a multiplicação de impostos pagamentos pela livre circulação da energia das patacas. É o que está a toldar a natural expectativa de abundância que a todos é devida. Coágulos a remover pelo superior interesse do bem-estar de todos.
As patacas também são felicidade se traduzidas como generosidade e não medrosa avareza gerada pela falta de fé na perfeição de um sistema que a todos basta naturalmente. O que falta é uma visão global de um mundo que funciona como um relógio suíço se entendido no seu conjunto de um resistente e seguro molho de palha.
Falta essa visão a quem tem a pretensão de governar e gerir o bem geral, a quem aposta miseravelmente na realidade mais negra dos pataqueiros, usando o poder da riqueza para estrangular a fluidez da felicidade alheia. Como se pode ser líder com tamanho descrédito no potencial de tudo e todos?


Enviar um comentário