sexta-feira, 18 de maio de 2018

Cascais a sonhar alto III: rivieras

Estoril - Estúdio Mário Novais - foto daqui
Cascais já teve a sua riviera no Estoril, com o seu casino, os seus jardins, as suas praias de veraneio, o seu glamour, histórias de espiões, palácios, corridas de carros, exilados notáveis e personalidades carismáticas.
Vila de pescadores que confraternizavam com nobres e gente de posses, artistas e aventureiros que faziam as delícias do imaginário local, foi infectada pela febre do imobiliário, dos negócios megalómanos e do turismo de massas, o novo Eldorado do século XXI.
Um brilho que agora se quer ver repetido com a possibilidade da instalação de eléctricos em toda a marginal e a futura riviera de Paço de Arcos.
São muitos pozinhos de perlimpimpim, a turvar a visão do que ficará em mais betão em vez das casas e palacetes tradicionais, do caos do trânsito que se agravará com as novas urbanizações de luxo, as universidades instaladas no centro histórico e à beira-mar, o alojamento local transformado em sugadouro de turistas e a arruinar as possibilidades habitacionais da população local.
Onde viverá a força de trabalho que mantém as infraestruturas do concelho? Nos concelhos limítrofes a três horas de transportes públicos da riviera? E sobreviverá da caridade pública, dos bancos alimentares e da segurança social em risco de colapso? E serão os idosos e refugiados clandestinos a assegurar o serviço básico necessário ao concelho? A imigração de jovens e talentos vai ter ministério ou vereação próprios? 
O mais triste é que este cenário dantesco já está instalado e a florescer. E o cenário que se segue é o reservado a todos os eldorados que, como fogos fátuos, se extinguem e deixam cidades-fantasma no seu lugar. Para não falar de fenómenos naturais como a subida das águas que apagarão do mapa marginais e faixas costeiras ainda cheias de promessa turística e imobiliária.
As rivieras são fantásticas. Como fantástica é a incapacidade de ver mais longe e de desviar as atenções de problemas reais e bem mais exigentes. Catástrofes anunciadas que precisam de mais do que operações de cosmética para traduzirem em segurança e confiança no futuro.
Um dia, as rivieras terão o seu epicentro em Manique, em Talaíde, no Murtal ou em São Domingos de Rana. Que se acautelem as ovelhas e as hortas locais. 
Enviar um comentário