sábado, 26 de maio de 2018

o sentido dos santos de casa


Escrever e desenhar ajudam a pensar. Até a memorizar. A organizar o que aleatoriamente acode à mente e a encontrar um foco para fixar raciocínios. Os padrões surgem, em palavras, cores ou formas, ordenam-se, ou não, mas nunca passam sem efeito.
É uma maneira de dar sentido e alargar o pensamento. E de o expressar livremente, criando e manifestando, escolhendo caminhos que fazem sentido. 
São actividades muito pouco frívolas, que nada têm que ver com o pendor ligeiro atribuído à expressão ser artista, utilizada para classificar quase sempre de forma descartável quem se considera fora da realidade e diferente dos demais.
Essa maneira de rotular o artista não pode, na realidade, estar mais longe da verdade e do valor intrínseco do poder da criatividade, do método que ela exige e da perseverança necessária a quem aposta em novas formas de encarar a experiência.
Denota, pelo contrário, a falta de reflexão de quem assim se pronuncia sobre forças vitais que movem qualquer indivíduo. Assim disposto a expandir o seu universo mental e de vivências, pratica em prol de todos descobertas que enriquecem e libertam.
Numa sociedade sempre tão ávida de consumo de novidades, estranha-se essa menorização do artista, sobretudo quando se conhece a sua reconhecida avidez por heróis e deuses. 
O artista é um santo de casa que faz milagres, mesmo quando a cegueira dos outros o desfoca em algumas realidades mais comezinhas. Afortunadamente, o poder de emparedar os outros é uma prática com grandes limitações, já que o seu propósito é, por definição, criá-las.
Ao artista cabe a tarefa de fazer orelhas moucas às vozes de burro que jamais chegam ao céu.
Enviar um comentário