terça-feira, 12 de junho de 2018

a natureza das coisas


A natureza das coisas é uma forma de dizer com uns filtros injustos. Quando se afirma assim a propósito de uma constatação avulsa, o que estamos realmente a dizer é aquilo que a experiência dos nossos sentidos neste mundo dita.
Há outra natureza em tudo, que desperdiçamos constantemente. A que elaboramos com o pensamento e a curiosidade, com as ligações que surgem de cada vez que uma ideia aparece vinda do nada. 
Com ela, a natureza das coisas expande as suas fronteiras além do que vemos, ouvimos, tocamos, cheiramos ou saboreamos. Parece que devíamos ater-nos apenas ao mundo material a que estamos vinculados, mas o que se passa na nossa cabeça teima em sugerir-nos mais.
São ideias que chegam sem se fazer anunciar e que por vezes demoram só um instante. Mesmo quando descartadas por não fazerem parte da equação habitual da vida, tomam lugar no nosso pensamento e voltam aqui e ali, como lembretes de tarefas por preencher.
Ora, se a natureza das coisas é só a material e à vista, por que razão estas ideias insinuantes teimam em brotar naturalmente na nossa mente? Não são intrusas inesperadas e ficam instaladas no nosso mundo até voltarmos a elas e lhes prestarmos atenção.
Fazem parte da natureza das coisas e mostram-nos que há mais entre o céu e a terra do que gostamos de admitir. São uma espécie de reservas que ignoramos, mas que estão lá sempre. Por que motivo ignoramos esse capital, quando nos desesperamos tantas vezes por não entender a escassez com que encaramos e apreciamos o mundo à nossa volta?
Enviar um comentário