quarta-feira, 15 de junho de 2016

nada


Absolutamente nada. Nada. Mesmo nada. Que maravilhosa liberdade.
Enviar um comentário