sábado, 20 de janeiro de 2018

vida com escamas

Os filmes de acção têm aquela característica VS (Vida Selvagem) ou NG (National Geographic) em que se anda sempre a correr para não se ser comido, morto, torturado ou aniquilado. São essencialmente filmes de terror em que nos apresentam um personagem simpático com que nos identificamos e depois põem perante um isco e obrigam a esbaforir-se em tentativas de sobrevivência até ao final da história.
Na vida real não é preciso inventar tramas e subtramas para navegar num mar de angústias de sobrevivência. Seria talvez mais prático encarnar nas escamas de um peixinho e abreviar o sofrimento para o nível não foi desta que fui comido e ui, fui comido. Níveis mais simples e menos cansativos. Se calhar, até com menos consciência VS e NG.
Na verdade, a forma de vida actual parece desenhada para nos lembrar que estamos apenas num nível VS e NG absurdamente sofisticado. Não satisfeitos com todos os imprevistos e perigos naturais da nossa viagem por este planeta, ainda tivemos o trabalho de inventar entidades colectivas e virtuais que nos perseguem, exploram e ameaçam a todo o instante, protegidas por mais leis e ideias feitas que nunca nos passaria pela cabeça imaginar como dignas de nos definir como indivíduos.
Chamamos-lhe civilização, cultura, desenvolvimento, mas... São apenas viagens de peixes graúdos e, sinceramente, muito mais estúpidos do que os mergulhos dos peixinhos que só esperam sobreviver um ou dois segundos mais do na escamação anterior.
E será que somos, como eles, capazes de apreciar simplesmente o prazer de um mergulho no desconhecido? Claro que não. Nem isso nos parece suficientemente atraente na ilusão de que somos todos fantasticamente inteligentes e capazes de controlar o filme das nossas vidas.
(Enganei-me no guião; este é, evidentemente, o de uma comédia.)

Enviar um comentário