quinta-feira, 17 de agosto de 2017

pensar devagar


Dei-me conta de que penso devagar. No sentido em que, apesar de pensar constantemente, só raramente entendo e contextualizo o que penso. Por isso vou pensando de forma lenta, cada vez mais lenta. De que serve pensar tanto se não se entende o significado, a causa e o efeito do que se pensa?
Devo fazer o mesmo com a vida, uma vez que ela tanto depende do que pensamos. Se aproveitamos pouco de todo o pensamento que geramos, também só vivemos plenamente umas pequenas porções da vida.
E dou comigo a rir dos raciocínios. Visto esta coisa dos pensamentos tão mal pensados e tudo o que isso acarreta. Assim se avalia a fraca qualidade de qualquer raciocínio. Mesmo dos mais elaborados. Não se acedendo aos factos todos, a todas as causas que se escondem por detrás dos efeitos, só podemos rir da maior parte dos raciciocínios e conclusões que tiramos.
É muita pretensão da nossa parte convencermo-nos de que fazemos escolhas elucidadas e adequadas a todo e qualquer acontecimento. A nossa vida é muito mais parecida com um jogo de que desconhecemos a programação e que nos atira permanentemente para cenários que nunca conseguimos antecipar.
Por isso penso devagar. Nem sequer faz diferença o tempo que levamos a pensar, porque a vida é muito mais alucinada do que podemos imaginar, com tanto bilião de pessoas a pensar caoticamente por todo o lado e a determinar dessa forma as infindáveis variantes do jogo.
Vou continuar a pensar devagar. Não faz diferença a forma como pensamos ou o tempo que levamos nessa ocupação.
O que faz diferença é a forma como passamos a entender os acontecimentos. Não em todos os seus peculiares contornos, mas como bolas loucas disparadas livremente em todas as direcções. A nossa única obrigação é decidir no momento quais apanhar, usar, ou de quais fugir.
Pensar é um jogo, viver é um jogo. As regras são para inventar à medida que rolam os dados.

Enviar um comentário