terça-feira, 10 de julho de 2018

discriminação silenciosa

"rare blue"
A discriminação silenciosa é uma prática insidiosa. Assente no débil pressuposto de que a existência falha na abundância de recursos para todos, é a arma dos inseguros e desconfiados da eficácia da providência.
A sua vertente mais violenta actua sem recurso aos preconceitos mais publicitados, como o género, a raça ou as crenças políticas e religiosas. Abate-se impunemente sobre as ideias e a capacidade de sonhar, de acreditar, de imaginar um mundo melhor.
Não é por acaso que a originalidade e a criação artística são vulgarmente descartados como alheamento da realidade e incapacidade de funcionar dentro das normas estabelecidas. O que o outro tem e parece escasso nos demais origina medo, defesa, discriminação e ataque.
A falha deste raciocínio é tão mais gritante quanto a génese do pensamento artístico e criativo tem como propósito imediato o contributo positivo universal. É a partir da sua proposta que se desenvolvem automaticamente processos mentais enriquecedores e de expansão para os demais.
No entanto, artistas e intelectuais continuam a ser encarados como párias incapazes de encontrar o seu caminho natural no esquema estabelecido da vida.
Impulsionam novas formas de encarar desafios e inspiram novos paradigmas e pragmatismos. Mas a escravidão das aparências e a obsessão do controlo remetem-nos para a última fila do reconhecimento social.
Na verdade, são eles os messias ignorados do progresso de todas as coisas, cujas dádivas trabalham pacientemente nos bastidores da consciência colectiva até que esta permita que manifestem o seu potencial.
A discriminação é apenas o pântano bafiento que se recusa a reconhecer as suas flores de lótus. Mas esse estado de avareza lamacenta não impede o seu florescimento e a sua beleza. 
Os discriminadores apenas insistem em aumentar irracionalmente o tempo do reconhecimento da funcionalidade e do pragmatismo dos artistas e livres pensadores. E ocupam esse imenso intervalo a criar regras e instituições que diluem a força das ameaças que acreditam existir entre eles e esses sonhadores fúteis.
Mas se são realmente fúteis, que necessidade há de os emparedar em regras e convenções labirínticas?
Enviar um comentário