sábado, 19 de abril de 2014

voo interno



Entender o corpo como uma ferramenta. Verde, vermelho, azul, branco, como quisermos. Instrumento para um voo dos sentidos e para a descoberta de muito mais. O infinito que começa em nós e se desdobra em pregas de espaços e tempos só imaginados por nós. Sou vento, sou voo, sou fogo solto pelos céus. Liberdades sentidas na vibração de uma corda, de uma voz, do fundo de nós. A vida, não como um labirinto, mas como uma nuvem que se estende, espalha e desfaz, encantada pelas paisagens que sobrevoa. Em sintonia.
Enviar um comentário